Quinta, 21 de Janeiro de 2021 17:04
42988489296
Pecuária PECUÁRIA LEITE

Fazenda em Minas Gerais conta com a tecnologia da ordenha robotizada para se adequar à produção de leite A2

As aquisições foram motivadas pela possibilidade de melhorar o bem-estar dos animais e a qualidade de vida do produtor. No entanto, já faziam parte de um projeto maior, o de transformar toda a produção de leite “normal” para o A2.

23/11/2020 13h35
1.571
Por: Redação Fonte: Redação
Sistema de gestão dos equipamentos gera dados que colaboram para o gerenciamento do rebanho leiteiro
Sistema de gestão dos equipamentos gera dados que colaboram para o gerenciamento do rebanho leiteiro

A Fazenda Capetinga, localizada em São João Batista do Glória (MG), foi a primeira do estado de Minas Gerais a instalar robôs de ordenha Lely Astronaut A5. As aquisições foram motivadas pela possibilidade de melhorar o bem-estar dos animais e a qualidade de vida do produtor. No entanto, já faziam parte de um projeto maior, o de transformar toda a produção de leite “normal” para o A2.

O leite e seus derivados de vacas com gene A2A2 estão livres da beta-caseína A1, responsável por causar desconfortos digestivos em algumas pessoas. Comumente, esses sintomas podem ser confundidos com a intolerância à lactose, pois são bastante similares, o que acaba levando essas pessoas a evitarem o consumo ou serem até medicadas para esse tipo de patologia, quando na verdade, o que gera o desconforto é a proteína.

Segundo o médico-veterinário, Marcelo Maldonado Cassoli, gestor da fazenda da família, a ideia é buscar agregação de valor ao produto e acompanhar as tendências de consumo. “Há três anos passamos a inseminar todo o rebanho apenas com touros A2A2 e selecionando para venda eventual os animais que não são A2A2. Desta forma, sem qualquer descarte intencional ou prejuízos para o rebanho, já temos mais de 60% do rebanho com essa característica”.

Ele acrescenta que o sistema de ordenha também é 100% individualizado por robô, ou seja, permite tirar o leite A2 em um robô e leite "normal" em outro que, segundo Marcelo, é uma das exigências para a certificação da fazenda para produção do leite diferenciado. “Fazemos a genotipagem sistemática dos animais jovens, mas  ainda não buscamos a certificação da fazenda, que será um próximo passo”.

Ordenha robotizada

 A família já produzia leite em São José dos Campos (SP) e em Minas Gerais começou a produção em 2000, com gado Jersey a pasto e depois migrou para o Holandês em confinamento. 

Possui hoje 114 vacas em lactação hoje, mas tem capacidade para 140. O rebanho está instalado em um barracão, parte tipo freestall com cama de areia para as vacas em lactação, parte tipo compost barn para o lote pré-parto, todo fechado e climatizado no sistema de túnel de vento. Tanto as vacas em lactação, quanto as em pré-parto estão separadas em lotes de primíparas e de multíparas.

“Todo o nosso rebanho é fruto da inseminação do rebanho original Jersey com sêmen Holandês. Hoje temos animais puros Holandeses e diversos graus de sangue do cruzamento Jersolando (maioria acima de 7/8 de grau de sangue holandês), que produzem entre 4.200 a 4.300 litros/dia. Houve aumento de produção de leite/vaca/dia e taxa de serviço na reprodução, refletindo positivamente na taxa de prenhez por consequência”.

Cassoli ressalta que as informações geradas pelo T4C, o sistema que opera o robô de ordenha Lely Astronaut A5, tem ajudado muito na gestão da propriedade. “Tivemos que aprender a usar alguns indicadores novos, ou que não tínhamos com frequência diária como é no robô. O nível de informação sobre os animais que o robô fornece foi um dos motivos de termos optado pela ordenha robótica”.

Sobre o bem-estar dos animais e a comodidade no dia a dia do produtor, Cassoli explica que houve impacto positivo em ambos, tanto nos animais quanto nas pessoas envolvidas. “Conseguimos fazer um esquema gradual de adaptação dos animais ao robô, que ajudou muito e deixou muito mais tranquilo o início da ordenha robotizada, atingindo o equilíbrio em termos de número de visitas por robô, entre outros, em menos de 30 dias. Devido a isso, tanto os animais quantos as pessoas envolvidas sofreram muito menos estresse durante a fase de adaptação devido a isso”.

O processo de transição ocorreu duas semanas antes do início da ordenha nos robôs, quando foi iniciada a passagem dos animais pelos equipamentos quando voltavam para o barracão. Em seguida permitiram por mais algum tempo os robôs apenas servindo ração na volta das ordenhas do dia e ficavam também com livre acesso à noite. “Quando notamos que já havia bastantes visitas voluntárias ao robô à noite para comer ração, programamos o início da ordenha robotizada. Desta forma a adaptação dos animais foi muito mais amigável para os animais e acredito que seja hoje uns dos fatores responsáveis pelo bem-estar observado e por termos chegado tão rápido a 3,5 ordenhas por animal/dia”, finaliza Cassoli. Com assessoria.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Castro - PR
Atualizado às 16h53 - Fonte: Climatempo
22°
Pancada de chuva

Mín. 17° Máx. 23°

22° Sensação
13.4 km/h Vento
78.2% Umidade do ar
90% (10mm) Chance de chuva
Amanhã (22/01)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 16° Máx. 23°

Sol com muitas nuvens e chuva
Sábado (23/01)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 15° Máx. 25°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Ele1 - Criar site de notícias