Quarta, 24 de Julho de 2024
22°

Parcialmente nublado

Castro, PR

Artigos INFLUÊNCIA CLIMA

Preços dos alimentos: da influência do clima à segurança alimentar, um tema nada trivial

Cada vez mais as condições climáticas se mostram um dos principais determinantes para a oferta agrícola, mas este é um item que está fora do domínio do produtor, o que proporciona um grande desafio, tanto para o planejamento, quanto para a manutenção de uma produtividade mínima que garanta ao produtor a continuidade de suas atividades.

25/03/2024 às 16h26
Por: Redação Fonte: Aniela Carrara*
Compartilhe:
Aniela Carrara - Pesquisadora da área de Macroeconomia do Cepea
Aniela Carrara - Pesquisadora da área de Macroeconomia do Cepea

O ano de 2024 está apenas no início, mas os comentários e expectativas a respeito dos preços dos alimentos e de como estes podem impactar o nível geral de preços ao consumidor, medido oficialmente pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), já se avolumam. E há alguns pontos de atenção que ensejam tais perspectivas, dentre eles, a questão climática.

O fenômeno El Niño que incide sobre o clima do País desde o segundo semestre de 2023 foi classificado pela Word Meteorological Organization – WMO (2024) como um dos cinco mais fortes. Tal fenômeno climático resultou em aumento das temperaturas, e as perspectivas são que este perca a força a partir de abril, de acordo com a WMO (2024).

Para além do El Niño, as mudanças climáticas globais, oriundas do efeito estufa, que tem elevado as médias de temperatura, são uma realidade e um dos seus impactos de maior relevância é sobre a produção agrícola, que, a depender da cultura e da região, pode significar um resultado negativo na produtividade, o que influencia diretamente a elevação dos preços dos produtos agrícolas, conforme diversos trabalhos acadêmicos, como o de Dhifaoui et al. (2023), demonstram e quantificam.

Continua após a publicidade
Anúncio

Cada vez mais as condições climáticas se mostram um dos principais determinantes para a oferta agrícola, mas este é um item que está fora do domínio do produtor, o que proporciona um grande desafio, tanto para o planejamento, quanto para a manutenção de uma produtividade mínima que garanta ao produtor a continuidade de suas atividades. Pois se para o consumidor as mudanças climáticas podem gerar uma oferta menor de produtos, o que tende a se materializar em preços maiores, para o produtor, a preocupação é também com o aumento de custos, conforme mostram Grigorieva, Livenets, Stelmakh (2023), seja por conta da elevação do uso de defensivos, necessários para combater as pragas que surgem com a alta das temperaturas, da necessidade de implantar e aplicar novas técnicas, da contratação de seguros, dentre outros.

Olhando pelo lado do consumidor, em termos do nível geral de preços da economia, é de amplo conhecimento o peso que o preço dos alimentos representa. No período recente – anos de 2021 e 2022 –, a meta de inflação estipulada para o País não foi cumprida, ficando o IPCA acima do teto, e, em ambos os anos, com uma contribuição significativa do grupo alimentação e bebidas, sendo que, em 2021, tal grupo apresentou variação acumulada de 7,94%, que não foi uma das maiores, já que, em tal período, o preço dos transportes e da habitação também acumularam avanços relevantes, de respectivos 21,03% e 13,05%, conforme IBGE (2024). Já em 2022, o grupo alimentação e bebidas apresentou a segunda maior alta acumulada no ano – de 11,64% –, ficando atrás apenas do grupo vestuário, que variou 18,02% no ano (IBGE, 2024).

Em 2023, a meta de inflação foi cumprida, e o grupo que compreende os produtos alimentícios variou em um patamar bem menor se comparado aos de anos anteriores (1,03% no ano). Sendo que o subgrupo que agrega os produtos relacionados à alimentação no domicilio fechou 2023 com queda acumulada de 0,48%, o que não acontecia desde 2017, muito por conta da ampliação da oferta e também do arrefecimento dos custos dos insumos, depois das altas proporcionadas pela pandemia e pelo início do conflito entre Rússia e Ucrânia. Assim, o cumprimento da meta de inflação de 2023 se deu com forte contribuição do preço dos alimentos.

Continua após a publicidade
Anúncio

Agora, considerando-se apenas os dois primeiros meses de 2024, o grupo alimentação e bebidas acumulou alta de 2,34%, sendo que, para o mesmo período em 2023, o avanço era de 0,76%, conforme IBGE (2024). Já o subgrupo alimentação no domicílio acumula, no mesmo período, elevação de 2,93%, o que acaba por deixar um alerta a respeito de como tal conjunto de preços pode se movimentar ao longo do restante do ano, considerando que, pelo menos em parte, os números de janeiro e fevereiro refletem implicações do fenômeno El Niño.

Apenas como exemplo, a batata inglesa, que, no grupo das hortaliças tuberosas, é o produto mais consumido, foi um dos subitens que se destacaram na inflação de fevereiro de 2024, com alta de 6,79%, muito por conta do atraso no plantio, devido a efeitos do El Niño. Mas, conforme informações do Hortifruti/Cepea (2024), há uma expectativa de que em março a oferta aumente, por causa do clima úmido e das chuvas previstas. O que ilustra o fato de que cada produto agrícola tem as suas especificidades, bem como o clima ideal para plantio e colheita. Então, quando se trata dos preços dos alimentos de modo agregado, é sempre importante se atentar que este é um todo composto de diversas particularidades, que devem ser consideradas.

Ademais, ressalta-se que a preocupação com o preço dos alimentos vai muito além da questão puramente econômica, do alcance de metas de inflação e de como isso pode refletir na política monetária do País. Preocupar-se com os preços dos alimentos, principalmente a nível dos consumidores, é se preocupar também com a segurança alimentar de uma população, o que basicamente corresponde à garantia de acesso econômico, físico, social, permanente e em quantidade suficiente a alimentos nutritivos, conforme FAO (2024). Ou seja, ao se discutir sobre os preços dos alimentos, também deve-se observar o quanto o aumento destes pode dificultar o acesso, sobretudo dos mais pobres, a uma alimentação adequada.

Dados do IBGE (2020) indicam redução de mais de 50% no consumo dos brasileiros de produtos base da alimentação, como arroz e feijão, ao longo de 16 anos e atribui essa diminuição principalmente ao aumento dos preços de tais produtos e ao crescente consumo de produtos ultraprocessados. Evidentemente, a quase estagnação que se observa na renda per capita no Brasil tem um papel forte ao restringir o poder de compra, forçando a população a procurar alternativas menos custosas para se alimentar. Estagnação essa que se dá num cenário de estabilidade do nível de pobreza ao redor de um terço da população. Especificamente, em torno de 11% da população vive com renda per capita de até ¼ do salário mínimo; 30% vivem com menos de ½ salário mínimo. Resumindo, cerca de 60% da população brasileira vive com até um salário mínimo per capita. Esse cenário de demanda doméstica por certos produtos (como arroz e feijão, por exemplo) quase estagnada – em razão da renda muito baixa – não favorece a expansão sistemática da produção (com uso de tecnologias atualizadas e aproveitamento de economias de escala, como acontece com a produção de produtos exportáveis). Esta produção cresce, portanto, a taxas insuficientes (do ponto de vista nutricional) e fica à mercê do clima e da ocorrência de pragas e doenças nas culturas.

De qualquer maneira, quando se trata de alimentos e em especial de seus preços, o escopo é muito maior do que o puramente econômico, mormente numa sociedade com elevado grau de pobreza como é o caso do Brasil. Até chegar à mesa do consumidor são muitos os fatores que importam para a formação dos preços, alguns mais fáceis de mensurar e prever, já outros mais difíceis, como a questão climática e suas implicações.

Logo, é complexa e imprecisa qualquer previsão sobre como os preços do grande e diverso grupo de produtos relacionados à alimentação se comportarão ao longo de 2024. O que é possível de ser afirmar é a respeito da importância – num país de características estruturais como as do Brasil – de se acompanhar os indicadores de preços, com um olhar atento as especificidades de cada produto, sem perder de vista acontecimentos no cenário econômico, eventos climáticos, questões geopolíticas, dentre outros fatores que direta ou indiretamente podem influenciar os preços dos alimentos. Ou seja, não se trata de uma questão trivial.

*Aniela Carrara - Pesquisadora da área de Macroeconomia do Cepea

[email protected] - Data de publicação: 25/03/2024

 

Referências:

DHIFAOUI, Z.; KHALFAOUI, JABEUR, S. B. ABEDIN, M. Z. Exploring the effect of climate risk on agricultural and food stock prices: Fresh evidence from EMD-Based variable-lag transfer entropy analysis. Journal of Environmental Management. V. 326, part B, 2023. Disponível em: < https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0301479722023623>.

FAO. Disponível em: < https://www.fao.org/3/w3613p/w3613p00.htm>.

GRIGORIEVA, E.; LIVENETS, A.; STELMAKH, E. Adaptation of Agriculture to Climate Change: A Scoping Review. Climate, 11, 2023. Disponível em: https://doi.org/10.3390/ cli11100202

HORTIFRUTI/CEPEA. Revista Hortifruti Brasil. Ano 22, n.242, 2024. Disponível em:< https://www.hfbrasil.org.br/br/revista.aspx>.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Presença do feijão nos domicílios brasileiros cai pela metade em 15 anos. 2020. Disponível em:< https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/27301-presenca-do-feijao-nos-domicilios-brasileiros-cai-pela-metade-em-15-anos>.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Sistema

Nacional de Índices de Preços ao Consumidor – SNIPC. IPCA. 2024. Disponível em:< https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/snipc/ipca/quadros/brasil/fevereiro-2024>.

WORLD METEOROLOGICAL ORGANIZATION – WMO. El Niño weakens but impacts continue. 2024. Disponível em:< https://wmo.int/media/news/el-nino-weakens-impacts-continue>.

Ele1 - Criar site de notícias