Segunda, 06 de Dezembro de 2021
23°

Pancada de chuva

Castro - PR

Geral USO CORRETO ÁGUA

Crise hídrica exige tecnologia no agronegócio que evite vazamentos

Benefício dos novos equipamentos também passa pela ampliação de redes de saneamento

20/10/2021 às 16h28
Por: Redação
Compartilhe:
A GEMU oferece o Sistema Conexo, que prevê a colocação de chips em cada equipamento para leitura automática, o que permite melhor controle da manutenção de equipamentos de forma preventiva ou preditiva para minimizar qualquer desperdício.
A GEMU oferece o Sistema Conexo, que prevê a colocação de chips em cada equipamento para leitura automática, o que permite melhor controle da manutenção de equipamentos de forma preventiva ou preditiva para minimizar qualquer desperdício.

De acordo com a ONU, o agronegócio consome praticamente 70% de todo o recurso hídrico do mundo, número que sobe para quase 80% no Brasil. O dado pode ser assustador se pensarmos no contexto da crise hídrica, uma vez que boa parte disso é desperdiçado devido ao uso sem critério e sem tecnologia, e calibragens adequadas.

Estudos mostram que, se reduzirmos em 10% esse montante utilizado no campo, conseguiremos abastecer o dobro da população mundial. Para isso, existem duas vertentes: tecnologias inerentes ao manejo, com melhor infiltração no solo, o que traz economia de água; ou o investimento em tecnologias para economia e sustentabilidade de todo o sistema, que tragam aumento da eficiência. Por exemplo, é possível criar sistemas automatizados para captação e armazenamento de água proveniente da chuva.

“Existem sistemas e equipamentos que utilizam válvulas para distribuição de água no campo e no seu tratamento, e equipamentos de irrigação que utilizam válvulas de longa durabilidade. Eles são desenhados já com tecnologia embarcada, ou seja, o agronegócio hoje é hightech”, explica o gerente geral da área industrial da GEMÜ Válvulas e Sistemas de Medição e Controle, Mateus Souza.

Essas válvulas que colaboram com a economia de água são robustas e de aplicação simples, do tipo “borboleta” (veja na imagem), construídas exatamente para evitar corrosão interna, vazamentos e desperdício.

“Existem ainda sistemas de tratamento de água de reuso, que fazem a captação de água já utilizada, tratamento e armazenamento para a reutilização – isso porque muita dessa água utilizada no campo pode vir com contaminantes, incluindo resíduos de fertilizantes que podem ser nocivos para a própria agricultura e o ser humano. Tratamento é muito importante. Aqui, entram sistemas automatizados para controle e manejo dessa água de reuso”, defende o engenheiro.

São válvulas especiais para quando há resíduos de contaminante químico, equipamentos com revestimentos e materiais especiais para esse tipo de fluido. “É possível ainda falar em Indústria 4.0 no campo – sistemas automatizados e sistemas de manutenção, que passam a ser um ponto importante, uma vez que qualquer problema no campo pode significar um grande volume de desperdício.”

Para isso, a GEMU oferece o Sistema Conexo, que prevê a colocação de chips em cada equipamento para leitura automática, o que permite melhor controle da manutenção de equipamentos de forma preventiva ou preditiva para minimizar qualquer desperdício.

Saiba mais sobre a válvula borboleta GEMÜ para tratamento de água

A GEMÜ Victoria® é uma válvula borboleta concêntrica com vedação de elastômero, largamente utilizada em sistemas de tratamento de água ou plantas de dessalinização. Disponível nos mais variados diâmetros e em diversas versões de corpos Wafer, Lug e Flangeados, e também com vários tipos de atuador: GEMÜ 487 com alavanca e caixa de engrenagem, GEMÜ 481 com atuador pneumático, GEMÜ 488 com atuador elétrico on/off ou com modulador.

É uma tecnologia robusta e que possui todas as certificações necessárias. Por exemplo, as estações de tratamento incluem pequenas plantas periféricas para dosagem de produtos químicos utilizados no processo e cada um desses insumos requer diferentes materiais. Para o uso do cloro, o que é o mais comum, são necessárias válvulas com corpo em plástico e diafragma em resina termoplástica, de forma a evitar a corrosão.

É essencial que as plantas sigam a recomendação da indústria fornecedora e suas indicações de instalação e manutenção.

 

Sobre a GEMÜ - A filial da multinacional alemã criada por Fritz Müller na década de 1960 disponibiliza ao mercado brasileiro válvulas de extrema eficiência e qualidade. A planta situada em São José dos Pinhais (PR), que conta com 100 colaboradores e completa 40 anos em 2021, produz válvulas e acessórios para o tratamento de água e efluentes em indústrias de todas as áreas, como siderurgia, fertilizantes e setor automobilístico, bem como para integrar sistemas de geração de energia. Na área de PFB (farmacêutica, alimentícia e biotecnologia), a GEMÜ é líder mundial e vende para toda a América Latina produtos de alta precisão, com atendimento local, além de consultoria com profissionais capazes de orientar na escolha da melhor solução em válvulas para cada aplicação. Mais informações: https://www.gemu-group.com/pt_BR/

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Castro - PR Atualizado às 17h20 - Fonte: ClimaTempo
23°
Pancada de chuva

Mín. 16° Máx. 23°

Ter 20°C 12°C
Qua 22°C 11°C
Qui 22°C 10°C
Sex 24°C 10°C
Sáb 29°C 12°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Enquete
Ele1 - Criar site de notícias