Sábado, 21 de Maio de 2022
11°

Poucas nuvens

Castro - PR

Agricultura RALLY

Rally Cocamar visita municípios com safra praticamente normal

Em grande parte das regiões mais tradicionais da Cocamar, nas imediações de Maringá e no noroeste do estado, o baque está consolidado e, segundo a cooperativa, a quebra de produtividade pode chegar a 60% em relação às previsões iniciais.

26/01/2022 às 17h39
Por: Redação
Compartilhe:
Rally Cocamar visita municípios com safra praticamente normal

Semear a soja mais cedo, ainda em setembro, não foi uma boa estratégia. Em todas as regiões onde isso aconteceu, as perdas foram consideráveis devido ao longo período de exposição à seca e às altas temperaturas. 

Em grande parte das regiões mais tradicionais da Cocamar, nas imediações de Maringá e no noroeste do estado, o baque está consolidado e, segundo a cooperativa, a quebra de produtividade pode chegar a 60% em relação às previsões iniciais. 

 

Cenário - Mais para o norte paranaense, no entanto, onde se semeia um pouco mais tarde, o cenário é completamente diferente, como o Rally Cocamar de Produtividade já mostrou na última semana, após visitar os municípios de Nova Fátima, Santo Antônio do Paraíso e São Sebastião da Amoreira: os produtores não só falam em uma safra normal, como esperam altas médias. O mesmo se pode dizer de algumas importantes regiões do município de Cambé, como o Caramuru, onde as lavouras são de encher os olhos. 

 

Soja e milho - Acompanhado do gerente técnico Rafael Furlanetto e do técnico da unidade da Cocamar em Cambé, Osmar Buratto, o Rally passou pelo município na terça-feira (25) e a primeira parada foi na propriedade da família do produtor Osmar Tavanti. Ele e seus três filhos cultivam 245 alqueires de soja (539 hectares) e 32 de milho (77,4 hectares), parte dos quais no Caramuru, em São Luiz (município de Londrina) e Tamarana. 

 

Expectativas - A semeadura começou em 20/9 e se estendeu até 5/11. “Aqui no Caramuru tivemos 22 dias de estiagem, mas a soja aguentou bem”, disse Osmar, que projeta colher uma média de 140 sacas por alqueire de soja (57,8/hectare) e 400 de milho (165,2/hectare). “Normalmente, quando o tempo não atrapalha, a média da soja é de 170 sacas por alqueire (70,2/hectare). No ano passado, foi de 166 (68,5/hectare)”, detalha o produtor. 

 

Escaparam - Os Tavanti investem em adubação diferenciada e não descuidam dos tratos culturais. E estão entre os poucos que conseguiram produzir na última safra de inverno, semeada ainda em fevereiro. Eles colheram a média de 180 sacas de milho por alqueire (74,3/hectare). “Quando as geadas chegaram, as lavouras estavam salvas”, comentou. Animados, eles investiram na compra de duas plantadeiras John Deere para reforçar o parque de máquinas, que esperam receber em breve. 

 

Alto potencial - Num giro pelo Caramuru, as lavouras dos produtores Pablo Mologni, Cláudio Peruzzi, Wilson Rhuss e Luiz Carlos Maquera, atendidos pelo técnico Osmar Buratto, exibem alto potencial produtivo, praticamente dentro das médias dos últimos anos. Segundo Buratto, no município de Cambé como um todo, 20% das lavouras se encontram em fase de maturação, 65% em granação e 15% ainda em floração.  

 

Há perdas - Em outra parte do município, como na saída para Bela Vista do Paraíso, a cultura foi bastante afetada pela falta de chuvas e os danos são grandes. As primeiras colheitas nessa região tiveram médias de 50 a 100 sacas por alqueire (20,6 a 41,3/hectare).

 

Bom desenvolvimento - Na vizinha Rolândia, há também lavouras em excelentes condições, como as conduzidas pelo produtor Sérgio Viúdes, morador em Cambé e que é atendido pelo técnico Marcos Zorzenon Alteia, da Cocamar. Ele cultiva 38 alqueires (91,9 hectares), distribuídos por três lotes que ficam na Estrada São Pedro, Barra Grande e Estrada São Rafael. 

 

Confiante - “Investimos bastante na correção do solo com calcário e vamos iniciar agora, na próxima safra, a aplicação de gesso. A lavoura recebe boro, também, até a fase de floração, com bons resultados”, disse Viúdes, confiante em uma produtividade entre 140 e 150 sacas por alqueire (57,8 a 61,9/hectare). Isto é, se o tempo não atrapalhar. Com assessoria.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Castro - PR Atualizado às 19h09 - Fonte: ClimaTempo
11°
Poucas nuvens

Mín. Máx. 19°

Dom 19°C 5°C
Seg 20°C 9°C
Ter 22°C 10°C
Qua 24°C 10°C
Qui 24°C 11°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Enquete
Ele1 - Criar site de notícias