Quinta, 23 de Setembro de 2021

Muitas nuvens

Castro - PR

Meio Ambiente CLIMA

Serviço Alerta Geada do IDR-Paraná é desativado

O Alerta Geada ajuda os cafeicultores a decidir sobre o uso de técnicas de proteção em lavouras novas de café, de até dois anos.

13/09/2021 às 21h07
Por: Redação
Compartilhe:
Com a aproximação da primavera, não há mais risco de ocorrência do fenômeno na zona cafeeira do Estado.
Com a aproximação da primavera, não há mais risco de ocorrência do fenômeno na zona cafeeira do Estado.

O Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná - Iapar-Emater (IDR-Paraná) e o Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná (Simepar) emitiram neste domingo (12) o último boletim do serviço “Alerta Geada” deste ano. Com a aproximação da primavera, não há mais risco de ocorrência do fenômeno na zona cafeeira do Estado. 

A recomendação aos produtores que amontoaram terra no tronco dos cafeeiros é retirar imediatamente a proteção, procedimento que deve ser feito com as mãos para evitar danos às plantas.

O Alerta Geada ajuda os cafeicultores a decidir sobre o uso de técnicas de proteção em lavouras novas de café, de até dois anos. Opera entre maio e setembro, período em que os pesquisadores acompanham as condições meteorológicas na região cafeeira e emitem avisos sobre a possibilidade de ocorrência do fenômeno.

Inverno Rigoroso
O Paraná teve um inverno de temperaturas baixas este ano. Três fortes massas de ar polar chegaram à região e provocaram diversas geadas pelo Estado — final de junho, nos dias 17 a 21 de julho e, a última, entre o final de julho e início de agosto. 

Em Londrina, tivemos o segundo mês de julho mais frio registrado na estação meteorológica do IDR-Paraná, inaugurada há 45 anos. Apenas no ano 2000 foram observadas temperaturas ainda mais baixas, revela a meteorologista Ângela Costa, do IDR-Paraná.

“Foi também um inverno com pouca chuva, uma característica do fenômeno La Niña, que estava ativo”, explica ela.
O fenômeno climático La Niña se caracteriza pela diminuição da temperatura da superfície das águas do Oceano Pacífico tropical central e oriental, o que gera reflexos nos padrões de chuva e temperatura em todo o planeta.

Produtor
O produtor Fernando Lopes conduz 750 mil pés de café em Mandaguari. Desse total, 60 mil ainda são mudas, que ele enterrou e desenterrou nas três vezes em que foram emitidos alertas este ano. “Funcionou perfeitamente, se você andar pelo cafezal, vai ver que ficou uma ou outra falha, mas isso é normal para plantios novos”, ele avalia.

Para Lopes, o custo e a dedicação valem a pena. “Se não faz e vem uma geada, tem de investir em novas mudas, tempo e todo o trabalho de novo”, conclui.

Junto com o irmão, Lopes até desenvolveu um equipamento para fazer o desenterrio, um pedaço de ferro dobrado e sem pontas que, segundo eles, agiliza o serviço e não danifica as plantas. “É muita muda para desenterrar com as mãos”, avalia.

Patrimônio
A área ocupada com lavouras de café no Paraná é de 35,2 mil hectares, a maior parte conduzida por pequenos produtores familiares. A safra atual se aproxima do fim, e deve ficar ao redor de 850 mil sacas de café beneficiado, aponta o economista Paulo Sérgio Franzini, do Departamento de Economia Rural da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Seab).

Franzini destaca a importância do Alerta Geada e aponta o aumento, ano após ano, de produtores que acompanham o serviço e adotam de técnicas para proteger as lavouras de café com até dois anos de implantação. “Os produtores confiam no serviço”, comenta.

De acordo com o economista, geadas moderadas e severas atingiram cerca de 40% do parque cafeeiro estadual, o que certamente acarretará perdas no próximo ciclo. “Estamos acompanhando o desempenho das floradas para poder estimar o potencial de produção em 2022”, ele comenta.

Cafeicultores que tiveram suas lavouras atingidas por geadas devem procurar a assistência técnica para obter orientação sobre a necessidade de poda das plantas, aconselha Franzini.

Serviço
Entre maio e setembro, os pesquisadores do IDR-Paraná e do Simepar acompanham as condições meteorológicas na região cafeeira do Estado e divulgam um boletim informativo diário, que pode ser acompanhado no aplicativo IAPAR Clima, disponível gratuitamente na App Store e no Google Play, e nas páginas www.idrparana.pr.gov.br e www.simepar.br
Quando há a aproximação de massas de ar frio com potencial de causar danos às lavouras de café, é também disparado, e amplamente divulgado, um alerta de geada com 48 horas de antecedência, o que permite dá tempo para os cafeicultores adotarem técnicas de proteção em suas lavouras. 

Realização
O Alerta Geada é uma realização do IDR-Paraná e do Simepar, com apoio da Seab, Consórcio Pesquisa Café, prefeituras, cooperativas e associações de produtores. Fonte IDR-Paraná.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Castro - PR Atualizado às 02h12 - Fonte: ClimaTempo
Muitas nuvens

Mín. Máx. 19°

Sex 22°C 8°C
Sáb 21°C 11°C
Dom 25°C 12°C
Seg 28°C 13°C
Ter 31°C 19°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Ele1 - Criar site de notícias