Domingo, 25 de Julho de 2021 19:50
42988489296
Dólar comercial R$ 5,2 -0.05%
Euro R$ 6,12 -0.05%
Peso Argentino R$ 0,05 -0.06%
Bitcoin R$ 190.643,63 +5.878%
Bovespa 125.052,78 pontos -0.87%
Agricultura PULVERIZAÇÃO

Pulverização com “regras e parâmetros” garante resultado e segurança

Uso correto de agroquímicos exige atenção para um checklist que começa antes de seguir para a lavoura. Cursos do SENAR-PR tornam profissionais aptos a agirem adequadamente

16/04/2021 11h44 Atualizada há 3 meses
476
Por: Redação
Considerando a rapidez com que esse setor evolui, os produtores e trabalhadores rurais precisam ficar atentos às questões envolvendo pulverizações.
Considerando a rapidez com que esse setor evolui, os produtores e trabalhadores rurais precisam ficar atentos às questões envolvendo pulverizações.

O uso de defensivos agrícolas nas plantações em escala contribui para o crescimento exponencial nos índices de produção e produtividade da agricultura moderna, nas últimas décadas, no Brasil e em várias partes do mundo. A tecnologia de aplicação e o desenvolvimento de novos produtos foram ramos que evoluíram significativamente em termos de pesquisa e novas descobertas científicas. Por isso, o uso de agroquímicos tornou-se complexo, o que exige a qualificação dos aplicadores e atenção dos profissionais para uma série de procedimentos, o famoso checklist.

INFOGRÁFICO: confira material extra com mais informações sobre o assunto.

Considerando a rapidez com que esse setor evolui, os produtores e trabalhadores rurais precisam ficar atentos às questões envolvendo pulverizações. “Os agricultores têm aprendido a fazer essa avaliação quanto à necessidade de aplicar, sobre a percepção de que pulverização é uma ferramenta de suma importância, mas que precisa ser usada no lugar e na hora certa”, aponta Flaviane Medeiros, técnica do Departamento Técnico (Detec) do SENAR-PR. “Temos batido na tecla se esta ou aquela pulverização é realmente necessária, especialmente com os cursos de Manejo Integrado de Pragas [MIP]”, complementa.

Na mesma linha, Elisangeles Souza, técnica do Departamento Técnico e Econômico (DTE) da FAEP, faz um alerta de que a pulverização de uma área depende da avaliação conjunta com profissionais habilitados. “Os defensivos agrícolas são uma tecnologia disponível e autorizadas pelos órgãos competentes. O que não significa que o produtor vai gastar tempo e dinheiro aplicando produtos sem necessidade. Toda aplicação deve começar com um diagnóstico prévio pelo profissional que acompanha a produção. Depois, caso necessário, a orientação do defensivo agrícola naquela situação ou outras alternativas, como o controle biológico para controle da praga”, reforça Elisangeles.

Checklist

Para o professor Ulisses Rocha Antuniassi, da Universidade Estadual Paulista (Unesp), um dos principais estudiosos de tecnologias de aplicação no Brasil, a forma adequada começa antes de ligar o trator, especificamente na hora da prescrição dos insumos. “O primeiro ponto importante, que tem que ser feito com agrônomo responsável, é avaliar nas bulas dos produtos qual é a recomendação de tecnologia de aplicação. As bulas devem ter informações sobre gotas [finas, médias, grossas], volume de calda por hectare e outros detalhes”, ensina.

A bula de um defensivo agrícola é o guia das possibilidades que aquele insumo proporciona ao produtor. “Dependendo do produto vai haver informações sobre as modalidades de aplicação autorizadas, como o uso de pulverizador costal, tratorizado com barras, aplicação aérea. Além disso, traz aspectos de ajustes específicos, para que o produto funcione melhor e/ou para garantir segurança da aplicação”, completa Antuniassi.

Somente depois de uma análise minuciosa da bula é que o agricultor (ou o responsável pela aplicação) deve partir para a fase prática. “Depois, ele deve fazer a seleção das pontas de pulverização. Isso porque o conjunto de pontas, a pressão e a calda são os três elementos que, juntos, vão formar o que chamamos de espectro de gotas [fina, média ou grossa]. Somente com isso é que se consegue cumprir todos os aspectos exigidos para uma boa aplicação”, exemplifica o professor da Unesp.

Manutenção

As máquinas e implementos agrícolas necessitam, assim como qualquer equipamento, de manutenção periódica, inclusive a Inspeção Periódica do Pulverizador (IPP). “Esse procedimento verifica se tem vazamentos, o estado do equipamento, o funcionamento do manômetro (medidor de pressão do pulverizador) e calibração. A IPP em dia é um requisito básico”, reforça o especialista da Unesp.

Somente com os equipamentos funcionando dentro dos parâmetros é possível cumprir o próximo passo do checklist para uma pulverização adequada. “Na hora da aplicação, é necessária atenção à montagem correta da máquina, com a colocação das pontas e dos filtros de acordo com cada tipo de pulverização prescrita no receituário agronômico”, enfatiza Antuniassi.

No campo

Antes de ir a campo é preciso preparar a calda que será pulverizada. Esse procedimento exige atenção com a série de normas vigentes preconizadas pelas autoridades fitossanitárias quanto a mistura de produtos químicos. Ou seja, é necessário considerar a questão legal e de segurança de pulverização.

Além disso, as condições climáticas precisam ser observadas constantemente, conforme orientações da bula. “É crucial que se tenha na propriedade medidor de temperatura, umidade relativa do ar, velocidade do vento. E, principalmente, saber observar a direção do vento e posicionar a aplicação de uma maneira adequada. Se todos os passos forem seguidos, à deriva não vai ser um problema”, pontua Antuniassi.

A deriva ocorre quando o defensivo agrícola vai parar em um local indesejado, como a lavoura vizinha, por exemplo. Segundo Antuniassi, esse problema ocorre apenas por descuido dos envolvidos na aplicação, por não seguirem as chamadas boas práticas. “Com o checklist seguido à risca, o produtor pode proceder a pulverização, sempre tendo em mente boas práticas, que à deriva não vai acontecer”, garante.

A aplicação de defensivos, como lembra Antuniassi, é uma atividade que requer conhecimento técnico. “A aplicação lida com produtos fitossanitários, que são tóxicos. Os cuidados por quem opera devem ser levados a sério dentro do trabalho agrícola. Portanto, o trabalho de extensão, de levar o conhecimento para o aplicador, é a peça número zero desse quebra cabeça ”, elenca o professor.

SENAR-PR oferece seis cursos de aplicação de agroquímicos

Os cursos na área de aplicação de agroquímicos são algumas das formações mais procuradas pelos produtores e trabalhadores rurais desde a criação do SENAR-PR. Isso demonstra a preocupação dos agricultores na hora de fazer as pulverizações nas suas lavouras.

Hoje, seis formações gratuitas e com certificado são oferecidas a agricultores, nas seguintes áreas: NR 31.8, tratorizado de barras, autopropelido, costal manual, combate às formigas cortadeiras e turbopulverizador. Fonte Faep/Senar-PR.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Castro - PR
Atualizado às 19h43 - Fonte: Climatempo
14°
Tempo aberto

Mín. Máx. 25°

14° Sensação
10.9 km/h Vento
47.5% Umidade do ar
0% (0mm) Chance de chuva
Amanhã (26/07)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 12° Máx. 27°

Sol com algumas nuvens
Terça (27/07)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 13° Máx. 25°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Ele1 - Criar site de notícias