Quarta, 24 de Julho de 2024
22°

Parcialmente nublado

Castro, PR

Agricultura BARREIRAS

Barreiras fitossanitárias no comercio internacional é tema da Reunião de Pesquisa de Soja

A discussão sobre as barreiras fitossanitárias no comércio internacional foi debatido na Reunião de Pesquisa de Soja, realizada dias 27 e 28 de junho, pela Embrapa Soja, em Londrina (PR).

28/06/2024 às 08h35
Por: Redação Fonte: Embrapa
Compartilhe:
Luiz Clovis, Pedro Mattos e Fátima no painel da RPS. Foto: Claudio Nonaka/Arquivo Embrapa Soja
Luiz Clovis, Pedro Mattos e Fátima no painel da RPS. Foto: Claudio Nonaka/Arquivo Embrapa Soja

A crescente dispersão de pragas agrícolas pelo mundo pode ser atribuída ao aumento do comércio entre os países. O Brasil exportou aproximadamente 60% dos 147 milhões de toneladas de soja, produzidos na safra 2023/2024. Do total exportado, cerca de 70% foi comercializado para China.  Portanto, a discussão sobre as barreiras fitossanitárias no comércio internacional foi debatido na Reunião de Pesquisa de Soja, realizada dias 27 e 28 de junho, pela Embrapa Soja, em Londrina (PR).

"Todos os países que importam do Brasil têm preocupação com as pragas quarentenárias. A China, em especial, fez recentes atualizações da lista de pragas quarentenárias e tem sido rigorosa com a sanidade e qualidade da soja", explica Fátima Parizzi, da Abiove/Anec.

Segundo ela, no Brasil, toda a cadeia produtiva e o Ministério da Agricultura vem produzindo material de orientação e de sensibilização sobre os cuidados com as praga quarentenária. Desde a produção até a expedição da soja, Parizzi conta que existem procedimentos que precisam ser observados para que não haja notificação internacional ou mesmo rechaço do lote com presença de praga quarentenária.

Continua após a publicidade
Anúncio

Diante disso, as responsabilidades e as ações do setor de armazenamento para exportação foi o tema da palestra de Pedro Mattos, da Associação das Supervisoras e Controladoras do Brasil. "Abordamos a legislação brasileira e a importância do cumprimento da legislação em relação às exportações que remete ao cumprimento da legislação internacional", explica. "Desta forma, os carregamentos do Brasil têm que estar isentos de pragas quarentenárias e de sementes tóxicas para evitar os problemas de fitossanidade", alerta.

Luis Clóvis de Oliveira, da cooperativa Cocamar, apresentou as responsabilidades e ações do setor produtivo. "Na cooperativa, fizemos uma trabalho com técnicos e produtores mostrando o papel fundamental que todos temos para evitar possibilidades de rechaço de cargas, com consequente prejuízo econômico", explica. "A principal ação no campo é o manejo de plantas daninhas na lavoura, ou seja, é preciso plantar e colher "no limpo"", destaca

Ele1 - Criar site de notícias